Projeto utiliza tecnologias limpas para conservação de suco de caixinha

Além das atividades de ensino, muitos servidores do Instituto Federal Farroupilha (IFFar) desenvolvem projetos de ensino, pesquisa e extensão ao longo do ano. O projeto desenvolvido pela professora Larissa de Lima Alves visa avaliar como o ultrassom atua na conservação do suco de bergamota, na tentativa de substituir a pasteurização.

A pasteurização, método atualmente utilizado pela indústria de sucos, visa prolongar a vida de prateleira dos “sucos de caixinha” e garantir a saúde do consumidor, no sentido de eliminar microorganismos. No entanto, este método prejudica a qualidade sensorial do produto (sabor, textura, aparência, aroma). Neste sentido, outras metodologias vêm sendo estudadas na área de ciência e tecnologia de alimentos, sendo uma delas o ultrassom, que é considerado uma tecnologia emergente, ou também chamado de tecnologia limpa por gastar menos energia e recursos naturais.  Além deste aspecto da sustentabilidade, o ultrassom vem apresentando excelentes resultados na qualidade e conservação do suco de diferentes frutas, pois a qualidade sensorial é menos prejudicada e a conservação é garantida, pontua a professora do campus Panambi do IFFar Larissa Alves, que é graduada em farmácia e bioquímica – tecnologia de alimentos.

De acordo com ela, não existem trabalhos publicados em periódicos científicos com suco de bergamota, e por isto a novidade do projeto. “A bergamota tem uma importância econômica importante em nosso estado e região.  Por ser uma tecnologia recente, ainda há muitas lacunas para serem definidas, pois variando a fruta mudam as condições do equipamento de ultrassom e os resultados”.

O projeto é uma continuação da tese de doutorado da professora e é realizado em parceria com o Laboratório de Tecnologias Limpas da UFSM. Em uma segunda etapa, a ser realizada em 2018/19, a professora, juntamente o apoio de duas alunas bolsistas (CNPq e FAPERGS), um aluno voluntário e dos técnicos em laboratório do campus pretendem avaliar como o ultrassom impacta na atividade antioxidante do suco, pois os estudos com outras frutas indicam que este potencial é ampliado com o uso do ultrassom. O projeto conta, ainda, com apoio financeiro do IFFar.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do Instituto Federal Farroupilha (IFFar)

SCS, quadra 2, bloco D, Edifício Oscar Niemeyer, térreo, lojas 2 e 3. CEP: 70316-900. Brasília – DF
    (61) 3966-7201
   conif@conif.org.br