Histórico

Com trajetória centenária, atualmente 38 Ins tutos Federais, dois Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets) e o Colégio Pedro II integram a Rede Federal de Educação Profissional, Cien fica e Tecnológica. São 644 campi, mais de um milhão de matrículas e cerca de 60 mil servidores (professores e técnico-administra vos).

As instituições têm o compromisso social de oferecer educação profissional pública, gratuita e de excelência a jovens e trabalhadores, do campo e da cidade; viabilizam o acesso efetivo às conquistas cientificas e tecnológicas, por meio da oferta de qualificação profissional em diversas áreas de conhecimento; promovem a pesquisa aplicada e a inovação e atuam fortemente na extensão tecnológica.

Moderna, conectada e interativa, a Rede investe na internacionalização da educação profissional. Parcerias firmadas com instituições de ensino de mais de 30 países abriram oportunidades de mobilidade e intercâmbio científico e acadêmico, proporcionando novas experiências a estudantes e servidores, além de participar a tivamente de projetos de cooperação técnica que promovem o fortalecimento ins tucional e o compartilhamento de boas práticas.

Linha do Tempo

2008

Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia

 Expansão, interiorização e consolidação da Rede Federal, cobrindo todo o território brasileiro;
 Democratização e ampliação do acesso às conquistas científicas e tecnológicas;
 Formação de profissionais qualificados;
 Fomento ao desenvolvimento regional;
 Estímulo à permanência de profissionais qualificados no interior do Brasil;
 Inclusão social e redução das desigualdades;
 Atendimento aos municípios populosos com Arranjos Produtivos Locais identificados, baixa receita per capita e mais de 50.000 habitantes;
 Desenvolvimento de produtos, processos e serviços;
 31 Centros Federais de Educação Tecnológica, 75 Unidades Descentralizadas de Ensino, 39 Escolas Agrotécnicas, 7 Escolas Técnicas Federais e 8 Escolas Vinculadas às Universidades passam ao status de Institutos Federais.

1978

Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets)

 Realização de Pesquisas na área técnica industrial, e oferta de cursos industriais, de graduação e pós graduação;
 Formação de profissionais de engenharia industrial e de tecnólogos, e de licenciatura plena;
 Cursos de extensão, aperfeiçoamento e especialização;
 Criação dos cursos para formação de professores.

1959

Escolas Técnicas

 Instituições recebem autonomia didática, técnica, financeira e administrativa;
 Criados diversos cursos técnicos;
 Autorizado o início da formação técnica de nível superior, posteriormente, estabelecida como as Engenharias Operacionais.

1942

Escolas Industriais e Técnicas

As instituições passam a ser subordinadas ao Ministério da Educação e Saúde;
Com a criação de leis orgânicas, ocorre profunda reforma no sistema educacional brasileiro e, nesse contexto, o ensino profissional e técnico é equiparado ao nível médio.

1937

Liceus Profissionais

Algumas instituições são transformadas em liceus;
Com a reestruturação do Ministério da Educação e Saúde, é criada a Divisão do Ensino Industrial e o Departamento Nacional de Educação;

1909

Escolas de Aprendizes Artífices

Criadas escolas no 19 Estados brasileiros;
Objetivo: Educar e ensinar um ofício a meninos de 10 a 13 anos em situação de vulnerabilidade social, inclusive índios e escravos;
Instituições subordinadas ao Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio.

SCS, quadra 2, bloco D, Edifício Oscar Niemeyer, térreo, lojas 2 e 3. CEP: 70316-900. Brasília – DF
    (61) 3966-7201
   conif@conif.org.br