Primeira fase do Programa LAPASSION em Rede chega ao fim nessa sexta (25/11)

Nesta semana, entre os dias 21 e 25, o Câmpus Itumbiara está recebendo os participantes do Lapassion em Rede - Metodologia Brampssol, para as atividades de encerramento do programa internacional. Amanhã, dia 25, a partir das 9h, será realizado o tão aguardado “Demoday” que é quando os integrantes dos 11 times irão apresentar as soluções para os problemas propostos pelos parceiros do projeto.


Mas, antes do Demoday, a Instituição tem promovido atividades para os estudantes, parceiros e apoiadores do Lapassion. Para isso, foi convidado a palestrar no IFG Câmpus Itumbiara, na noite de ontem, 24, o professor que é mestre e doutor em Inteligência Artificial (IA), Celso Camilo. O palestrante atual em vários projetos na área de IA e, entre suas atividades, destaca-se a atuação como Professor Viajante da Universidade Carnegie, em Pittsburgh, na Pensilvânia (EUA), palestra para a Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço do governo dos Estados Unidos (Nasa) e pertencimento ao quadro de membro fundador do Centro de Excelência em Inteligência Artificial (CEIA-UFG). 


De acordo com o palestrante, desde os primórdios os seres humanos são animais tecnológicos, pois estão sempre em busca da criação de ferramentas para tentar otimizar e melhorar a produtividade e capacidade humana. Celso Camilo também chamou a atenção para o fato de que atualmente passamos um terço do tempo acordados no mundo digital e que por isso considera-se que já vivemos no metaverso com o êxito do mundo físico para o digital e vice-versa. Muitas vezes, inclusive, algumas pessoas são bem mais ativas no digital; destacou o palestrante que se refere à população em geral como “tecnosapiens”.


Sobre a chamada “nova revolução”, Camilo afirmou que ela é a “customização”, ou seja, a produção de serviços em escala, porém adaptada às necessidades do indivíduo. “Agora nessa nova revolução, esse é o caminho, esse é o futuro, a qualidade customizada em escalas. Por exemplo, vamos caminhar para customizar todas as indústrias. Isso faz parte da psique humana, queremos caminhar em bando, por isso fazemos parte de uma rede social. Mas, ao mesmo tempo, eu quero também me diferenciar dentro do bando, e daí vem a customização”. E a tecnologia vem para suprir essa necessidade de ser único, explicou ele.


Como exemplos das capacidades criativas da IA, o palestrante citou composições de canções perfeitas (do ponto de vista sonoro e matemático), a elaboração de quadros idênticos aos pintados por grandes gênios da pintura como Vicent van Gogh. Ele também falou do uso da IA nas áreas do transporte, reconhecimento facial, ambiente corporativo, correção de bugs, áreas da saúde e educação etc. Para Celso Camilo, muitas ações como abrir um e-mail, cadastrar notas fiscais, preencher formulários, acessar sistemas de gestão e etc já não fazem mais sentido serem executadas por seres humanos, uma vez que a IA pode realizar isso em menor tempo e gerando baixos custos.


Particularmente na área da Educação, o palestrante citou exemplos da Índia e China que utilizam IA em sala de aula para observar o comportamento de alunos e identificar quais ficam mais tempo distraídos e/ou precisam de maior acompanhamento do professor. Na área da Medicina, ele também destacou que a Inteligência Artificial é usada para identificar, com meses de antecedência, quais doenças podem se manifestar no indivíduo de acordo com o movimento das pupilas;  e também é capaz de monitorar pacientes epilépticos, como braceletes, prevendo quando determinada crise irá ocorrer.


Assessoria de Comunicação do Conif

Texto/Foto: IFG Campus Itumbiara


Compartilhe esta notícia

mais notícias